Marc Fazer login
SAÚDE

Em artigo, doutora em Direito Público analisa premissas de decisão do STF acerca de obrigatoriedade da vacina contra a Covid-19


Para Renata Souza, princípio da solidariedade, à luz da Constituição Federal, “implica obrigações recíprocas entre os indivíduos que coexistem”
  06/01/2021
  Atualizado em 14/01/2021



“Imperioso faz-se reconhecer os benefícios da decisão do STF, embasada no bem-estar da coletividade e na demonstração de que no caso sob exame o direito à saúde pública se sobrepõe à liberdade de escolha e de consciência”, destaca a doutora em Direito Público, Renata Martins de Souza, em artigo publicado nesta segunda-feira, 4 de janeiro, no portal Consultor Jurídico, com reflexões sobre a decisão da Suprema Corte acerca da possibilidade de o Estado determinar aos cidadãos que se submetam, compulsoriamente, à vacinação contra a Covid-19.

O entendimento foi firmado no julgamento conjunto das Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADI) 6586 e 6587 e do Recurso Extraordinário com Agravo (ARE) 1267879. A tese firmada na apreciação das ADI observa, ainda que “a vacinação compulsória não significa vacinação forçada, facultada a recusa do usuário, podendo, contudo, ser implementada por meio de medidas indiretas, as quais compreendem, dentre outras, a restrição ao exercício de certas atividades ou à frequência de determinados lugares”.

No artigo, a autora se dedica a fomentar o debate sobre os “limites ao exercício dos direitos individuais vinculados à autorrealização por meio da liberdade de escolha e de autogestão”, tema cercado de polêmicas e controvérsias. A defensora pública observa que o princípio da solidariedade, à luz da Constituição Federal, “implica obrigações recíprocas entre os indivíduos que coexistem” e “respeito e consideração mútuos entre os membros da sociedade” ao ressaltar os desafios da vida comunitária.

“Acrescentem-se a essa dimensão de solidariedade as ideias de reciprocidade, compaixão e de empatia para com os outros, que denotam a capacidade de uma pessoa de colocar-se no lugar de outra, demonstrando a sua motivação em cuidar do bem-estar do próximo”, afirma ainda a especialista.

Clique aqui para ler o texto na íntegra.





    

© ANPPREV 2021 - Associação Nacional dos Procuradores e Advogados Públicos Federais

Endereço:  SAUS 06 Bloco K - Ed. Belvedere - Grupo IV, Brasília/DF, CEP 700.70-915
Telefones: 61 3322-0170 | 0800 648 1038

Fazer login | Seja um(a) Associado(a)


Nova ANPPREV - A prioridade é você!
Inatto