Marc Fazer login
Notícia
CLIPPING

Volta do auxílio emergencial pode congelar salário do funcionalismo

  18/02/2021
  Atualizado em 20/04/2021



ISTOÉ Dinheiro

Se por um lado o auxílio emergencial pode ser fundamental para ajudar a completar a renda de trabalhadores afetados pela pandemia da covid-19, por outro pode representar o congelamento do orçamento familiar dos funcionários públicos. O governo Jair Bolsonaro pretende travar os salários do funcionalismo por três anos para compensar o impacto orçamentário do auxílio nas contas públicas.

A medida ainda não foi equacionada, nem é dada como certa pela equipe do Ministério da Economia, mas é uma opção para amenizar a escalada da dívida bruta do País, que chegou a 89,3% do PIB no ano passado, impulsionada principalmente pela distribuição de renda pelo auxílio.

Com a possibilidade do retorno do auxílio emergencial ainda no mês que vem ou em abril, o governo já está se protegendo de possíveis fraudes nos pagamentos e vai promover um verdadeiro pente-fino no quadro de beneficiários.

Para isso, reuniu grandes bancos de dados financeiros como o Caged, INSS, MEI, CNIS e pretende retirar automaticamente da lista de pagamentos os servidores, militares, aposentados e pensionistas, além de trabalhadores que estão trabalhando e não devem receber o benefício.

Segundo a Folha de S.Paulo, os integrantes do governo avaliam que quanto mais restritivo for o acesso ao auxílio, menor a necessidade de cortes em outras áreas.

A única certeza, neste momento, é a de que os R$ 322 bilhões gastos no ano passado serão reduzidos em mais da metade neste ano, uma vez que menos pessoas receberão as parcelas e a transferência deve ficar entre R$ 200 e R$ 250 por até quatro meses.





    

© ANPPREV 2021 - Associação Nacional dos Procuradores e Advogados Públicos Federais

Endereço:  SAUS 06 Bloco K - Ed. Belvedere - Grupo IV, Brasília/DF, CEP 700.70-915
Telefones: 61 3322-0170 | 0800 648 1038

Fazer login | Seja um(a) Associado(a)


Nova ANPPREV - A prioridade é você!
Inatto